Acordo entre Azul e SNA
02/07/2020
Planos de saúde: menos segurados
07/07/2020
Mostrar tudo

E-commerce e pandemia

E-commerce tem crescimento avassalador durante a pandemia

O e-commerce tem se revelado a nova tendência do mercado, acentuado pela pandemia.

Inegavelmente, o comércio pela Internet já vinha em crescimento. Mas tal ascensão foi acelerada na era pós Covid-19.

Com efeito, a transformação digital foi catalizada pelos tempos advindos em 2020.

Dados do crescimento

A saber, dados do Ebit/Nielsen revelam um crescimento de 42% durante a pandemia, só no período de 17 de março a 14 de abril, em comparação com o percentual do ano passado.

Do mesmo modo, os dados revelam que 30% dos consumidores realizaram a compra na Internet pela 1a vez durante a pandemia.

Igualmente surpreendente que só a compra de chocolates, via Internet, teve um aumento de 1090% (mil e noventa por cento!) no período da Páscoa, em relação ao ano passado.

Advindo como ideia inclusiva, grandes varejistas, como Magazine Luiza, abriram sua plataforma para que pequenos lojistas pudessem vender, sem gastos com frete e infra-estrutura.

Com o intuito de abarcar pequenos lojistas, a conduta da varejista Magazine Luiza tem o aplauso do nosso escritório.

Aplicação do Direito do Consumidor

A fim de informar o consumidor, fundamental que este tenha ciência de que o Código de Defesa do Consumidor se aplica às compras realizadas pela Internet, devendo as relações serem pautadas pela transparência.

Nos termos do artigo 49 do Código Consumerista, o “consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio“.

 De tal sorte que a Lei assegura aos internautas consumidores o período de reflexão  7 dias, para que possam desistir da sua compra. Prazo que deve ser contado a partir da assinatura ou do ato de recebimento do produto.

Conclusivo que o comércio digital, o trabalho remoto, atendimentos via Whatsapp e Instagram são as novas tendências do mercado. E parecem terem vindo para ficar.

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.